Imprimir

Onde estão nossas plantas e bichos?

Publicado . em Biodiversidade

3413Os manguezais estão entre os principais tipos de biodiversidade de Fortaleza, onde podemos encontrar diversas espécies, não só de vegetais, mas também de animais

Onde está a biodiversidade de Fortaleza? Onde estão nossas plantas e bichos? Para a bióloga Paula Gomes de Araújo, que tem pós-graduação em Educação Ambiental, a biodiversidade de Fortaleza pode ser classificada como rica, pois em regiões tropicais tem uma ampla variabilidade genética. ``Os manguezais estão entre os principais tipos de biodiversidade de Fortaleza, onde podemos encontrar diversas espécies, não só de vegetais, mas também de animais. Um verdadeiro berçário ecológico``, considera.

Conforme ela explica, a Trilha Ecológica do Parque do Cocó é uma excelente opção de lazer, apesar de o rio estar totalmente poluído e esquecido. ``Lá podemos encontrar algumas espécies de animais, desde crustáceos (caranguejo), até mamíferos (soins), mas existem outras reservas ecológicas que fazem parte de nossa cidade, como a Floresta do Curió, a Mata Atlântica de Fortaleza, o Parque Adahil Barreto``, cita.

Segundo ela, uma excelente área de lazer é a Reserva Ecológica da Sapiranga, que é a Maior Unidade de Conservação Particular Urbana de Manguezais do Planeta. Com relação aos animais de Fortaleza, ela lamenta a grande especulação imobiliária na cidade. ``Consequentemente, construções sem controle pelo Poder Público ocorrem diariamente, junto com a perda de vegetação, condenando os animais a procurarem outros locais para viverem, onde dificilmente se adaptarão``, explica.

Ainda assim, ela destaca que, para as espécies endêmicas, o problema é mais grave, pois, com a perda de seu habitat natural, elas estão praticamente condenadas à extinção. A adaptação é muito difícil em outros lugares e algumas delas chegam até a morrer. ``A agressão ao meio ambiente ocasiona perdas irreparáveis para as presentes e, principalmente, futuras gerações``, ressalta.


Educação

Na avaliação dela, a maioria da população não apresenta uma educação voltada para o meio ambiente. O uso e desuso desenfreado dos recursos naturais já sinalizam a degradação existente. ``A cidade é suja, a vegetação está sendo devastada e os rios poluídos. Sem falar que alguns empresários contribuem com a poluição visual e sonora``, lamenta. Mas além disso, ela cita que as pessoas estão cada vez mais corrompidas pelo mundo capitalista e consumista, não demonstrando sensibilidade pela causa.

Neste cenário, a educação ambiental se faz necessária. Paula sugere oficinas participativas sobre meio ambiente, para lembrar a todos que tudo que usamos e consumimos pode ser de forma sustentável, sem agredir o meio ambiente. ``Oficinas com ações ambientais como coleta seletiva, campanhas educativas sobre reflorestamento e reciclagens. Essas ações são apenas algumas sugestões preventivas, mas existem várias outras``, afirma. (Lucinthya Gomes)


SOBRE O ANO INTERNACIONAL DA BIODIVERSIDADE

  • A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou o ano de 2010 como Ano Internacional da Biodiversidade, com o propósito de aumentar a consciência sobre a importância da preservação da biodiversidade em todo o mundo.
  • Será oportunidade para evidenciar a importância da biodiversidade para nossa qualidade de vida; Refletir sobre os esforços já empreendidos para salvaguardar a biodiversidade até o momento, reconhecendo as organizações atuantes; Promover e dinamizar todas as iniciativas de trabalho para reduzir a perda da biodiversidade.
  • A maior parte do oxigênio que respiramos é proveniente do plânction dos oceanos e das florestas frondosas de todo o mundo.
  • Provavelmente, as frutas e as verduras que comemos foram polinizadas por abelhas e a água que bebemos faz parte de um grande ciclo global no qual você está incluído, assim como as nuvens, as selvas, as geleiras, os rios e todos os oceanos.
  • Sua alimentação depende quase que por completo das plantas e dos animais que nos rodeiam, desde os vegetais que nos proporcionam arroz e trigo, até os peixes e a carne de animais de grande porte, além dos hortifrutigranjeiros.
  • O objetivo da iniciativa é chamar a atenção da sociedade mundial para as taxas alarmantes de perda de biodiversidade. Estudos da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN) apontam que 17 mil espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção.
  • Além disso, especialistas estimam que 60% dos ecossistemas do planeta não são mais capazes de prover os serviços ecológicos dos quais o homem depende, tais como produção de alimentos, água potável e controle do clima.





FONTE: UNESCO / O POVO online.
.

Você é registrado? Efetue login no menu a direita ou Clique aqui...